Menu

7 coisas que você precisa saber para abrir seu negócio

Publicado dia 30 de Maio de 2014
É normal um futuro empreendedor se empolgar com a possibilidade de ser dono de seu próprio negócio e colocar o projeto em prática sem estar, de fato, preparado para os inúmeros desafios que estão por vir.

abrir seu negócio

A abertura de cada tipo de negócio exige a escolha de ferramentas adequadas

Apesar de cada tipo de empreendimento ter sua respectiva particularidade, existe uma série de tópicos que devem estar bem entendidos antes de abrir as portas e iniciar a empreitada.

Confira aqui sete dos principais itens:

1 – Trace seu perfil

Uma das coisas mais importantes é fazer uma autoavaliação para verificar se há em você o perfil empreendedor.

É preciso estabelecer estratégias, gerenciar finanças, construir redes de relacionamento, possuir habilidade e capacidade de liderança de pessoas e negócios, além de saber delegar funções, negociar, motivar funcionários e sócios. Mais do que isso, é necessário verificar se suas características se encaixam com as que a área em que está querendo empreender exige.

O autoconhecimento é crucial no momento de montar um negócio e quanto mais cedo se conhece as habilidades e características, mais rapidamente irá se testar e, em caso de algum equívoco, promover a correção de forma mais ágil. Como diz Tom Peters, um dos gurus da gestão de empresas, “Teste rápido, falhe rápido e ajuste rápido”.

2 – Sócios?

Sim! É importante considerar a possibilidade de ter sócios, sobretudo quando se está iniciando um projeto e ainda não há capital para investir em funcionários. Mas a importância de ter um sócio está longe de se restringir ao fato de dividir custos ao invés de apenas investir.

O empreendedor deve escolher um sócio com características complementares às dele. O objetivo da sociedade é sempre o crescimento da empresa. A ideia é se associar com pessoas que tem algo a oferecer diferente do que você já oferece, não importando se esse parceiro é um amigo, um parente ou alguém mais distante. O que deve estar em pauta e sendo avaliado são as competências desse futuro sócio.

3 – Conhecer o mercado

Determinar a capacidade de crescimento do negócio é uma tarefa que está diretamente ligada à identificação de seu público. Uma das primeiras missões antes de entrar em uma determinada área é avaliar o mercado e o que os potenciais clientes esperam dele, além de conhecer os principais concorrentes. Com essa análise em mãos, será mais seguro verificar se a empresa pode oferecer o resultado esperado.

Para segmentar o público alvo é necessário levar em consideração algumas variáveis, como geográficas, socioeconômicas e comportamentais. Montar um negócio para atender a todos é impossível e não saber quem ao certo você está querendo atender é quase que um suicídio anunciado, por isso essa etapa do processo é tão importante.

4 – Planejamento

Uma vez mapeado o mercado de sua atividade, é hora de montar um bom plano de negócios. Aqui é o momento também de ter os pés no chão e não vislumbrar passos além do que as pernas podem dar, principalmente para evitar possíveis decepções futuras e um consequente desânimo.

O planejamento financeiro é essencial, envolvendo fluxo de caixa e previsão de vendas. É importante definir aonde vai se investir, publicidade, equipamentos, tecnologia, pessoal, tudo para diminuir as surpresas de se gastar mais do que se imagina.

Pense como uma construção, quando normalmente se gasta mais do que se espera, mas estando preparado, o impacto é sempre menor. Definir metas e descrever objetivos também é necessário. Faça sempre as perguntas básicas: “o que eu quero?” e “aonde eu quero chegar?”.

5 – Gastos certos

Esteja preparado para os custos iniciais de abertura de um negócio. Há o valor que vai variar muito de um negócio para outro, que são os investimentos em infraestrutura e pessoal, mas é preciso levar em consideração os gastos com a abertura da empresa em si, como as taxas da junta comercial e da emissão do alvará. O custo total pode variar entre R$ 700 a R$ 2 mil.  Tudo deve ser considerado e colocado em uma planilha.

É recomendado começar com uma reserva mínima de capital, de acordo com os gastos que foram descritos em seu planejamento. Não é uma boa opção investir no negócio um capital proveniente de um bem particular, como a venda de um imóvel ou de um carro, além de ser importante tomar cuidado com empréstimos. É necessário ter a certeza que haverá lucro para saldar. Quem deve pagar esse empréstimo não é o empresário e, sim, o lucro do novo negócio.

6 – Regime de tributação

O empreendedor deve estudar os três regimes de tributação existentes antes de fazer a sua opção na abertura do negócio (Simples Nacional, Lucro Presumido e Lucro Real) para ver qual deles o mais indicado para o negócio. A tendência é começar com o Lucro Presumido ou Simples.

O Simples Nacional é interessante, já que engloba vários tributos e benefícios para que está iniciando. Por outro lado, tem alguns fatores limitantes, como o faturamento, que não pode ultrapassar 3,6 milhões ao ano. Esse sistema vai calculando o imposto, já que é uma alíquota crescente, sempre baseado nos últimos 12 meses de faturamento. Ele vai subindo à medida que vai aumentando o faturamento.

A partir de um determinado crescimento, passa a ser importante mensurar se vale a pena estar no Simples ou optar por outra forma tributária, como o Lucro Presumido ou Lucro Real.

 7 – Esteja preparado

A iniciativa de abrir um negócio já é por si só, uma atitude arrojada. E todas as ações que se seguem não combinam com medo.

É normal o empreendedor ter medo de errar e perder o dinheiro e o tempo investidos. Mas é importante estar preparado para os percalços que vão surgir neste caminho. Assuma riscos, mesmo sabendo que você vai cometer erros. Mas acredite em você e sem seu planejamento.

Com a certeza um “passo a passo” bem feito, a insegurança será menor. A falta de confiança em relação à sua capacidade de concretizar sua meta faz com que seja dado sempre um passo para trás. É natural que o empreendedor tome decisões equivocadas e erre bastante, sobretudo no início. Só é primordial estar sempre atento para não cometer erros que sejam fatais para o negócio.

Sobre o autor convidado

Este artigo foi escrito pelo pessoal do Conube, um de nossos parceiros de negócios.

O Conube é um sistema de Contabilidade Online voltado para prestadores de serviço, que substitui o contador tradicional por um preço acessível. Com o Conube, o usuário acompanha tudo o que acontece na contabilidade da empresa, de casa ou do celular, com total transparência. Ele emite notas fiscais eletrônicas e deixa a burocracia por conta dos contadores.

E como você já sabe toda semana publicamos aqui artigos relacionados a planejamento, orçamento e acompanhamento econômico e financeiro. Também publicamos mensalmente materiais gratuitos para download como planilhas, white papers e e-books.

Portanto, se você ainda não é assinante de nosso newsletter, cadastre-se (aqui, logo abaixo) para receber este e outros artigos por e-mail, ou nos adicione nas redes sociais para ficar por dentro de tudo que acontece por aqui.

E se as dicas foram úteis para você e sua empresa, deixe um comentário e compartilhe utilizando os botões das redes sociais que ficam aqui logo abaixo.

 

Talvez você também queira ler um destes:


Also published on Medium.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *