Menu

ROI (Retorno Sobre o Investimento): a palavra de ordem no ambiente empresarial!

Publicado dia 5 de Janeiro de 2016

roi - retorno sobre o investimentoPor definição, uma empresa é uma organização econômica constituída para explorar um ramo de negócio e oferecer ao mercado produtos ou serviços com o objetivo de obter lucro. Mesmo empresas sociais ou sem fins lucrativos como a Omunga precisam obter lucro para manter e expandir suas operações.

Sendo assim, em uma empresa, toda e qualquer ação se resume a apenas 3 grandes formas básicas de geração de valor para a companhia:

  • Aumentar a Receita
  • Reduzir Custos
  • Reduzir Riscos

Ou seja, se um projeto, aquisição, contratação ou qualquer outra ação não estiver contribuindo para o aumento de receita, redução de custos ou redução de riscos, logo não estará contribuindo para levar a empresa em direção a seu objetivo de geração e aumento do lucro. Em outras palavras, a ação não está gerando ROI para a empresa.

E no mundo corporativo, tudo gira em torno do ROI. É a palavra de ordem da Gestão por Resultados e entender isto o quanto antes pode ser completamente disruptivo na forma de enxergar as coisas, seja você sócio ou funcionário, diretor ou estagiário, experiente ou em início de carreira.

O que é ROI

Uma das siglas mais famosas da Gestão Empresarial, o ROI é o acrônimo em inglês para “Return on Investment” (Retorno sobre o Investimento), e como o próprio nome diz, o ROI representa o lucro ou prejuízo obtido depois de um determinado investimento.

O mais comum é utilizar o indicador de ROI para avaliar a viabilidade de Investimentos Operacionais, como a aquisição de máquinas, equipamentos, computadores, etc. Mas nada impede sua empresa de utilizar a análise de Retorno sobre o Investimento também para qualquer outro desembolso, como por exemplo, a contratação de um novo funcionário, a terceirização de um serviço ou até mesmo a reformulação de um produto da empresa.

Vamos entrar em mais detalhes sobre isto mais para frente, mas é de extrema importância que você sempre tenha em mente a análise do ROI quando estiver criando a modelagem financeira e orçamentária de sua empresa, para já pensar em como facilitar a extração dos dados necessários para apuração dos Retornos sobre os Investimentos da companhia.

Como calcular o Retorno sobre o Investimento

A fórmula de cálculo do ROI é muito simples:

ROI = ((Receita – Custos) / Custos) * 100

Ou seja, basta calcular a Receita Líquida que o investimento irá gerar para a empresa durante todo o tempo que estará operante, subtraindo os seus custos de aquisição e depois dividir isto tudo pelos próprios custos de aquisição do investimento.

Por exemplo, imagine que sua empresa esteja planejando adquirir uma nova máquina no valor de R$ 100.000. Esta máquina terá uma vida útil de 10 anos (leia aqui sobre depreciação, amortização e exaustão) gerando mensalmente um aumento de R$ 2.500 na Margem de Contribuição da empresa (já subtraídos os custos de produção e comercialização). Logo em 10 anos a máquina irá gerar R$ 300.000 adicionais para a empresa. Subtraindo os custos de aquisição do equipamento, teremos um Retorno sobre o Investimento de 200%.

IMPORTANTE: na fórmula de cálculo do ROI devem ser consideradas apenas as receitas e custos adicionais gerados pelo investimento e não as receitas e custos totais da empresa.

Os famosos “3 P’s” da Gestão Empresarialroi - retorno sobre o investimento

Uma empresa é composta basicamente por:

  • Pessoas
  • Produtos (ou serviços)
  • Processos

Este são os 3 pilares de qualquer empresa e o tema é tão amplo e daria um post completo, mas de forma bem resumida, para produzir produtos (ou serviços) de qualidade, a empresa precisa se concentrar em aprimorar o uso e a eficácia de todos seus recursos, trabalhando na melhoria contínua dos processos e pessoas que a compõe, bem como dos próprios produtos (ou serviços) que oferece a seus clientes.

E praticamente não temos como falar em melhoria contínua sem pensar em ROI. Também de forma bem simplificada (para não alongar muito), qualquer aprimoramento a ser feito nos produtos, processos ou pessoas de uma empresa, exigirá um projeto ou no mínimo um plano de ações com todas as atividades que deverão ser feitas para conseguir o aumento da efetividade.

E se temos um projeto ou um plano de ações, temos como medir e analisar o quanto de Retorno sobre o Investimento este projeto ou plano de ações irá gerar para a empresa (já vimos a fórmula de cálculo acima).

Portanto, mesmo que seja mais comum analisar apenas o ROI de novos Investimentos Operacionais, você também pode e deve analisar os ganhos de outras ações como treinamentos e capacitações de funcionários, redesign de marca, aprimoramento das embalagens de produtos, redecoração do escritório, etc. Mas é claro que algumas delas serão mais objetivas e terão seu calculo facilitado e outras mais subjetivas e mais complexas, exigindo mais conhecimento das relações causa-feita do negócio para poderem ser calculadas.

Pensando com a cabeça dos acionistas

Como dissemos anteriormente, em uma empresa todas as decisões, no final, se resumem a avaliação do ROI que será gerado pela ação. Quanto antes você entrar neste “mindset” e começar a pensar com a cabeça da diretoria e acionistas da companhia, melhor para você.

Para tentar deixar mais claro, veja alguns exemplos de perguntas que você pode se fazer antes de tomar qualquer ação, propor um novo projeto, investimento ou contratação:

  • Qual o meu próprio ROI enquanto funcionário?
  • Qual o ROI da área que gerencio (ou trabalho)?
  • Qual o ROI deste investimento que quero fazer?
  • Qual o ROI deste fornecedor (ou serviço) que quero contratar?
  • Qual o ROI deste novo funcionário que preciso para minha área?
  • Qual o ROI desta ideia que tive?

E não se engane. Em uma empresa, mesmo ações sociais, ambientais ou visando a melhoria do clima organizacional podem (e devem) ser avaliadas pela ótica do Retorno sobre o Investimento que será obtido.

Por exemplo, a criação de um espaço recreativo para os funcionários relaxarem em seus momentos de pausa ou mesmo darem uma aliviada na cabeça durante o expediente, a princípio pode parecer não ter qualquer relação com o aumento da receita, redução de custos ou riscos. Mas sabemos que funcionários com espaços de trabalho confortáveis trabalham muito mais contentes e isto costuma gerar um aumento de produtividade expressivo.

O mesmo vale para projetos sociais ou ambientais patrocinados ou apoiados pela empresa, que aparentemente podem parecer apenas uma fonte de custos e despesas, mas que quando analisados pela ótica do marketing, podem gerar uma melhoria do branding da empresa frente ao mercado e consequentemente um maior engajamento de seus consumidores, levando a um aumento de faturamento.

Então não se esqueça: o Retorno sobre o Investimento de toda e qualquer ação precisa ser medido e analisado.

Simulações de Cenários como ferramenta de avaliação prévia do ROI

Aqui na Treasy somos defensores ferrenhos de utilizar as Simulações de Cenários antes de tomar qualquer decisão. Ou seja, ao invés de tomar uma decisão e esperar alguns meses para saber se isto trará lucro ou prejuízo para a empresa, não seria muito melhor projetar os resultados das ações e saber se vale a pena ou não o esforço?

As Simulações de Cenários são um dos instrumentos mais importantes da Gestão Empresarial e vem ganhando cada vez mais adeptos entre as empresas brasileiras. E não é difícil entender o porquê, afinal, com a simulação de cenários econômico-financeiros é possível antecipar oportunidades e prever riscos antes de realizar qualquer ação que possa comprometer os resultados da organização.

Sendo assim, a Análise dos Retornos sobre os Investimentos e as Simulações de Cenários andam lado a lado, e se tornam ainda mais poderosas quando utilizadas em conjunto.

Inclusive, recentemente lançamos um e-book sobre os Estágios de Maturidade na Gestão Orçamentária e um dos principais pontos observados entre nossos clientes em níveis mais avançados, é a simulação de cenários antes da tomada de qualquer decisão (desde as mais corriqueiras) e a análise prévia de retorno antes de realizar qualquer investimento.

E-book Gratuito: Indicadores Financeiros para Análise de Investimentos

Este é um assunto muito bacana, mas o post já está ficando longo e precisamos encerrar por aqui.

Mas se você quiser saber mais sobre ROI e também conhecer alguns outros indicadores importantes para análise de projetos de investimentos, aproveite para baixar o e-book completíssimo que lançamos sobre este tema.

Para baixa-lo gratuitamente, basta clicar na imagem abaixo:

E-book Indicadores Financeiros para Análise de Investimentos

Confira abaixo alguns dos tópicos que você vai encontrar no e-book, incluindo os conceitos, fórmulas de cálculo e exemplos dos principais indicadores para análise de investimentos utilizados pelo mercado:

  • Introdução Sobre Projetos de Investimentos
  • Atratividade Financeira de Projetos de Investimentos
  • Taxa Mínima de Atratividade
  • Indicadores Financeiros para Análise de Investimentos
  • Valor Presente Líquido (VPL)
  • Valor Presente Anualizado (VPLa)
  • Índice Benefício / Custo (IBC)
  • Retorno Sobre o Investimento (ROI)
  • Taxa Interna de Retorno (TIR)
  • Tempo de Recuperação do Investimento (Payback)
  • Ponto de Fischer

Esperamos que o e-book seja de ótimo proveito para você e sua empresa e depois de baixar o material, não se esqueça de deixar um comentário contando o que achou e compartilhar com seus colegas utilizando os botões das redes sociais que ficam logo aqui abaixo!

 

Talvez você também queira ler um destes:


Also published on Medium.

12 comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *