Veja como o SKU (Stock Keeping Unit) ajuda na logística

Publicado dia 23 de abril de 2018

Stock Keeping UnitHá muito tempo que o estoque deixou de ser considerado apenas o local onde se armazenam as matérias-primeiras ou os produtos fabricados pela indústria. O gerenciamento do estoque é fundamental para garantir que a logística e outros setores dentro de uma empresa funcionem corretamente, garantindo a produtividade e a lucratividade de qualquer negócio. Por isso, este espaço tem ganhado cada vez mais a atenção dos administradores.

Neste sentido, existem diversas ferramentas que podem ajudar as empresas, independentemente do porte ou segmento, a otimizar o estoque e a logística. Nós já falamos aqui no blog, por exemplo, sobre a Curva ABC e como calcular o giro de estoque de uma empresa. Hoje, vamos apresentar mais uma ferramenta que pode ajudar o seu negócio tanto em relação à logística quanto ao gerenciamento de estoque: o SKU.

O que é SKU ou Stock Keeping Unit?

A sigla pode soar estranha, mas é cada vez mais ouvida pelos profissionais que atuam nos setores responsáveis pelo estoque e pela logística das empresas preocupadas com a organização dos seus produtos. SKU é a abreviação de Stock Keeping Unit que, em português, significa Unidade de Manutenção de Estoque.

O SKU é uma maneira de identificar os produtos que uma empresa possui em seu estoque. Ele funciona como uma carteira de identidade para cada tipo de produto conforme suas características, facilitando o processo de identificação e gerenciamento. Em resumo, ele é o número de identidade de um produto. Deu para entender? Pelo sim, pelo não, vamos a alguns exemplos de SKU para deixar ainda mais claro.

Digamos que a sua empresa fabrique produtos eletroportáteis e tenha em seu estoque uma grande quantidade de diversos tipos dessas mercadorias em diversas cores e modelos, como multiprocessadores, liquidificadores e batedeiras, por exemplo. Pode ser difícil gerenciar tudo isso, não é? Mas os códigos SKU tornam possível identificar cada um desses produtos e suas variações.

Vamos supor que um de seus produtos seja um liquidificador na cor preta com cinco velocidades. Neste caso, o código SKU poderia ser, por exemplo, LIQ-5-PRE. Já se outro produto tem as mesmas características, exceto a sua cor, que é vermelha, o código SKU poderia ser LIQ-5-VER.

Assim, cada categoria de produto terá uma identificação padronizada de acordo com suas características. Já quando você tem uma grande quantidade do mesmo produto no estoque, como 200 liquidificadores pretos com cinco velocidades, cada um deles pode ter um dígito diferente no fim do Stock Keeping Unit, por exemplo: LIQ-5-PRE-001, LIQ-5-PRE-002, LIQ-5-PRE-003 e assim por diante.

Desta forma, fica muito mais simples identificar e gerenciar os produtos armazenados. No entanto, é preciso estar atento a todas as especificidades possíveis para que não haja erro. No caso do nosso exemplo, o código SKU incluiu o tipo de produto, a cor e as velocidades disponíveis, mas também poderiam ser incluídas informações sobre potência ou modelo, por exemplo.

Cada especificidade que possa diferenciar um produto de outro e ser determinante para o gerenciamento do estoque deve estar presente no código SKU. Isto é, o SKU é único para cada tipo de produto e não deve ser utilizado por um ou mais produtos diferentes.

Quais as vantagens do SKU?

O uso do SKU traz diversos benefícios à empresa, todos eles ligados à otimização da identificação dos produtos e gerenciamento do estoque e logística. Uma das vantagens, por exemplo, é que o Stock Keeping Unit facilita a leitura humana. Quantas vezes já nos pegamos olhando para um código de barras e pensando o que aqueles números querem dizer? Imagine então o quanto isso pode ser difícil para quem trabalha com esses números todo dia!

Assim, o código SKU traz elementos que podem ser facilmente lidos e interpretados por qualquer pessoa. Isso não quer dizer, porém, que você deve eliminar o código de barras dos seus produtos, já que essa identificação continua sendo útil, principalmente para as vendas, e o código SKU pode ser, até mesmo, incluído no código de barras. Porém, internamente, o Stock Keeping Unit costuma trazer mais benefícios ao facilitar a leitura pelos colaboradores e, consequentemente, a organização dos produtos.

E por facilitar a leitura, os códigos SKU também acabam simplificando a comunicação interna e diminuindo o tempo que os funcionários levam para pesquisar os produtos em grandes bases de dados. Por serem códigos mais simples e, em algumas situações, até intuitivos, localizar, separar e gerenciar qualquer produto se torna muito mais prático. Além disso, vários softwares de gestão utilizados pelas empresas já estão preparados para trabalhar com o código SKU.

Outra vantagem dos códigos Stock Keeping Unit na logística e no estoque é que fica muito mais fácil gerenciar um grande volume de produtos, como era o caso do nosso exemplo. Assim, é possível armazenar cada SKU em um local determinado, facilitando a sua localização e gerenciamento. Além disso, os códigos SKU têm sido cada vez mais utilizados por lojas virtuais, o que garante que o produto correto chegue ao cliente no menor prazo possível.

Como criar um SKU?

SKU

Aplicar o Stock Keeping Unit em qualquer empresa não é tarefa difícil, mas precisa de planejamento! Se você utiliza um software de gestão de estoque de logística, por exemplo, certifique-se de que ele oferece a possibilidade de trabalhar com os códigos SKU ou verifique a possibilidade de uma atualização ou mesmo mudança de sistema, se você preferir.

Você também pode oferecer um treinamento para os funcionários que trabalham em atividades relacionadas à logística e ao estoque para que eles entendam como funciona o SKU e como essa novidade pode alterar a sua rotina e trazer benefícios ao dia a dia do negócio.

Por último, antes de colocar o SKU em prática, é bom ficar por dentro das dicas a seguir sobre o que fazer e o que não fazer em se tratando dessa ferramenta:

  • Não atribua um mesmo SKU a produtos diferentes: nós já falamos sobre isso, mas é bom reforçar que cada produto deve receber um SKU conforme suas especificidades. Se os produtos são exatamente iguais em todas as suas características, um código SKU basta, desde que se inclua um dígito ao fim do código para numerar cada produto. Porém, se eles têm cores, potências, funções, tamanhos ou qualquer outra característica diferente é importante que um novo código Stock Keeping Unit seja atribuído.
  • Código de barras não é a mesma coisa que SKU: como dissemos, código de barras e SKU são coisas diferentes e você pode, ou não, decidir trabalhar com os dois. Geralmente, as empresas utilizam o SKU para seus processos internos, já que os produtos dos fornecedores costumam vir com um código de barras próprio. A sua empresa pode continuar utilizando os códigos de barras para facilitar as vendas aos clientes. O importante é saber que o Stock Keeping Unit é um código exclusivo da sua empresa.
  • Utilize uma sequência padrão: não há regras para definir um código SKU para os produtos. Você pode utilizar sílabas, letras e números. É importante, porém, estabelecer um padrão na sua empresa para facilitar a leitura pelos colaboradores e torná-la até mais intuitiva. No caso do nosso exemplo, todos os produtos seriam cadastrados de acordo com essa ordem: produto-velocidade-cor etc. Tente fazer o mesmo na sua empresa e utilize quantas características forem necessárias para não gerar confusão entre produtos diferentes.
  • Cuidado com letras e números: há algumas letras e números que podem causar confusões por serem parecidos, como a letra I e o número 1 e a letra O e o número 0. Se possível, é bom evitar o uso desses dígitos. Da mesma forma, também não é indicado utilizar dígitos especiais, como asteriscos e cerquilhas.
  • Não utilize como base o número do fornecedor: não é incomum que as empresas utilizem números ou letras do código de barras ou até mesmo do código SKU expedidos pelo fornecedor em seus próprios códigos SKU. Essa medida, no entanto, não é indicada, já que os fornecedores podem mudar seus códigos de barras e SKU de uma hora para a outra, sem aviso prévio e, assim, acabar comprometendo a organização do seu estoque.

Concluindo

E então, o Stock Keeping Unit deixou de ser um bicho de sete cabeças para você? Esperamos que sim! Como você viu, essa ferramenta de fácil implantação pode ajudar a otimizar o gerenciamento de estoque e logística de qualquer empresa, mas principalmente daquelas que têm um grande volume de produtos para administrar.

Além de impactar diretamente esses dois setores, a implantação dos códigos SKU acaba por trazer benefícios a toda empresa, já que torna mais correta a entrega dos produtos, diminui o tempo gasto pelos funcionários e possibilita que os processos sejam feitos de maneira mais simples, evitando problemas com a organização e, consequentemente, aumentando a produtividade e a lucratividade do negócio.

Se você quiser saber mais sobre as ferramentas disponíveis para estoque, logística e outros setores da sua empresa, continue de olho no nosso blog, pois ele é atualizado com tudo o que você precisa saber para ter sucesso em seu negócio! E se esse artigo foi útil para você, deixe seu comentário e compartilhe com seus colegas!

Toda semana publicamos aqui artigos relacionados a planejamento, orçamento e acompanhamento econômico-financeiro. Também publicamos mensalmente materiais gratuitos para download como modelos de planilhas, white papers e e-books. Portanto, se você ainda não é assinante de nosso newsletter, cadastre-se para receber este e outros artigos por e-mail, ou nos adicione nas redes sociais para ficar por dentro de tudo que acontece por aqui.


Também publicado em Medium.

Deixe um comentário

Você precisa estar logado para postar um comentário. Clique aqui para fazer o login