5 tomadas de decisão que a Gestão Orçamentária facilita para sua empresa

Publicado dia 22 de março de 2015
tomadas de decisão

Tomar decisões faz parte do dia-a-dia de todos nós. Desde as mais corriqueiras, como a decisão matinal diária de que roupa vestir, até mesmo decisões muito mais complexas e com influências de longo prazo, como a compra de uma casa ou a pessoa com passará sua vida.

E no ambiente empresarial não é diferente. CEOs, diretores, gerentes e qualquer outra pessoa com responsabilidades relacionadas a seus cargos tem a difícil tarefa de tomar decisões rotineiramente. Algumas mais simples, de baixo impacto e reversíveis. Outras mais complexas e que podem causar a empresa sérias consequências (boas ou ruins), e que nem sempre podem ser desfeitas.

Neste artigo, vamos ver com utilizar uma rica fonte de informações já disponível em sua empresa, o Orçamento Empresarial, para embasar, facilitar e reduzir riscos associados à tomada de decisões corporativas. O objetivo é transformar o processo de tomada de decisões, deixando-o mais fácil, rápido, preciso, abrangente e coerente.

Tipos de Tomadas de Decisão

Antes de falarmos sobre as tomadas de decisão propriamente ditas, precisamos saber quais são os tipos de decisões existentes.

  • Decisões não estruturadas: neste caso, o responsável pela tomada de decisão deve utilizar seu bom senso, sua capacidade de avaliação e sua perspicácia na resolução do problema. Aqui não há procedimentos bem compreendidos e documentados para facilitar as decisões, que costumam ser inusitadas e não rotineiras;
  • Decisões estruturadas: aqui, as decisões costumam ser mais repetitivas e rotineiras. Desta forma, é possível criar procedimentos pré-definidos, de modo que no momento que a decisão surgir, possa ser tomada com mais calma e tranquilidade;
  • Decisões semi-estruturadas: por fim, temos os casos onde apenas uma parte do problema é novo, mas a empresa já possui procedimentos criados para situações semelhantes que podem ajudar a obter uma resposta clara e precisa com mais facilidade e rapidez.

Geralmente o nível de estruturação das decisões está intimamente relacionado ao nível hierárquico na organização. Ou seja, quanto mais estruturada está uma decisão com procedimentos e métodos, menos a alta gestão precisa ser envolvida, conforme demonstra a imagem abaixo:

 

tomadas de decisão

Ao tornar  o máximo de decisões não estruturadas em decisões estruturadas, sua empresa estará economizando tempo, dinheiro e principalmente muita energia mental.

O nosso objetivo com este artigo é demonstrar como sua empresa pode (e deve) eliminar ao máximo o subjetivismo, utilizando seu Orçamento Empresarial como uma das ferramentas de suporte a tomada de decisões.Sem mais delongas, vamos aos 5 exemplos de tomadas de decisão que uma boa Gestão Orçamentária ajuda a simplificar!

Viabilidade de Investimentos Operacionais

Com algumas raras exceções, todo empresário deseja ver sua empresa crescendo os resultados mês após mês e para isto sabe que os Investimentos Operacionais são necessários. Seja para ampliar, modernizar ou mesmo manter a operação (repondo bens depreciados), antes de realizar qualquer investimento, é necessário saber quais serão seus impactos na empresa.

Como a Gestão Orçamentária engloba também a Projeção de Investimentos, é possível analisar com antecedência qual o retorno esperado com o Investimento (ROI), em quanto tempo os ganhos compensarão os desembolsos (Payback) e se a empresa tem caixa suficiente para arcar com a aquisição ou precisará recorrer a empréstimos e financiamentos.

Desta forma você pode utilizar as informações obtidas com a Gestão Orçamentária para simular todos os impactos antes de realmente realizar a aquisição e decidir pelo Investimento com segurança, efetivando-o apenas se os ganhos gerados forem interessantes para a empresa.

Definição do Preço de Venda dos produtos e serviços

Um desafio muito comum nas empresas é definir qual o preço ideal cobrar por seus produtos e serviços. Inclusive publicamos recentemente um e-book sobre Formação de Preço de Venda que você pode baixar gratuitamente no botão abaixo.

Guia Formação de Preço de Venda

De forma bem resumida, ao calcular o valor que comercializará seus produtos e serviços, sua empresa deve levar em consideração 3 fatores:

A análise do mercado e concorrência não tem escapatória. Sua empresa vai precisar fazer a lição de casa, mapear quem são os concorrentes e investigar como cada atua no mercado cada um deles. Você pode fazer isto internamente ou contratar uma consultoria especializada.

Mas a boa notícia é que as projeções realizadas para o Planejamento Orçamentário já entregam de bandeja a Projeção de Margem de Contribuição e Projeção do Ponto de Equilíbrio.

Todas as informações necessárias para o cálculo já estão nas projeções criadas para o Orçamento Empresarial, basta calcular os indicadores. Para saber mais, confira o artigo que publicamos sobre os 5 indicadores fundamentais para gestão que podem ser obtidos no DRE de sua empresa.

Abertura ou descontinuidade de Canais de Distribuição e Venda

Outro ponto que atormenta a vida e tira o sono de qualquer empresário ou executivo é a gestão de Canais de Distribuição ou também conhecidos como Canais de Vendas.É comum escutarmos da “sabedoria empresarial popular” que a empresa deve diversificar ao máximo seus canais, tanto para aumentar seu faturamento, quanto para “não deixar os ovos em uma cesta só”.

A verdade é que existem canais que funcionam muito bem para algumas empresas, porém não servem para outras. Mas calma, não é por isto que sua empresa deve continuar atuando nos mesmos canais sem conhecer outras alternativas.

O importante aqui é trabalhar com fatos, e não com “achismos”. E nisto a Gestão Orçamentária é mestre! Em posse de um orçamento base, você pode criar algumas Simulações de Cenários e projetar diferentes situações e condições.

É preciso analisar tanto os impactos positivos, quanto negativos da abertura de um novo Canal de Vendas. Quantas novas vendas o Canal trará mensalmente? Quanto isto representa em Receita? E quais serão os Custos iniciais para montar o Canal? E para mantê-lo operando? Será preciso algum investimento de grande porte? Sua empresa já tem o know-how suficiente para criar e manter o canal?

Lembre-se que todas as perguntas devem virar números (receitas, custos e despesas). Desta forma sua empresa pode decidir pela abertura de novos Canais de Vendas ou pela descontinuidade de algum Canal que não esteja performando bem, totalmente baseada em dados e informações.

Para saber mais sobre análise rentabilidade de Canais de Vendas, confira este artigo.

Contratação ou demissão de pessoal

Necessidade de contratação de pessoal é quase lugar comum na Gestão Empresarial. Qualquer empresa, por mais escalável que seja seu modelo de negócios, para crescer, precisa de pessoas.

Porém, antes de contratar é necessário analisar alguns aspectos. O primeiro deles é sua empresa tem Fluxo de Caixa suficiente para arcar com o novo funcionário. Mesmo que esta pessoa vá contribuir diretamente com o aumento da receita (se for um profissional de marketing ou vendas) ou trabalhar para garantir que a empresa possa entregar o que vende (no caso de um profissional de produção ou logística) é preciso ter certeza que a empresa pode pagar o salário do novo funcionário.

Além disto, é preciso lembrar que não se trata apenas de salários. São diversos encargos sociais (INSS, FGTS, etc.) a serem considerados, sem contar os benefícios (vale transporte, vale refeição, bolsas de estudo, etc.).

Uma boa Projeção Orçamentária ajuda sua empresa a analisar se tem condições para pagar mensalmente o novo funcionário, sem se esquecer ainda das provisões que costumam gerar grandes desembolsos para as empresas em alguns períodos. Estamos falando aqui das provisões de 13º Salário e Férias, além do aprovisionamento para Multas Rescisórias.

Esta é uma necessidade tão grande, que a pedido de vários clientes, recentemente lançamos uma nova função em nosso software, o Treasy para Projeção de Gastos com Pessoal.

Capital de Terceiros x Capital Próprio

Um bom Planejamento Orçamentário contempla não só os fatores econômicos que formam a Projeção de Resultados (DRE) da empresa, mas deve levar em consideração ainda os fatores financeiros, realizando também a Projeção de Fluxo de Caixa.

Pela ótica financeira, sua empresa deve analisar os impactos que os planos operacionais e os planos de expansão exercem sobre o caixa. Algumas das variáveis a serem analisadas passam pela Necessidade Capital de Giro (NCG) e também pela Necessidade de Capital para Investimentos Operacionais.Nesta hora, os dados do Orçamento são bastante úteis para que você possa calcular o que chamamos de Custo do Capital de Terceiros e também calcular o Custo do Capital Próprio.

De forma bem resumida, o Custo do Capital de Terceiros é o valor dos juros e taxas que sua empresa pagaria por tomar empréstimos ou financiamentos. Já o Custo com Capital Próprio é um pouco mais complexo de se calcular, mas de maneira bem simplista podemos dizer que é o custo do capital “empatado” pelos sócios e acionistas no negócio.

Este é um assunto mais profundo e publicaremos um artigo mais elaborado sobre ele em breve, mas o que podemos antecipar é que sua empresa deve tomar muito cuidado nesta decisão. Em algumas situações, mesmo que a empresa possua dinheiro em caixa, pode ser mais vantajoso tomar empréstimos e financiamentos para uma aquisição ou Investimento. Em outros vale mais a pena usar dinheiro do caixa…

O importante é que para empresas que já fazem uma boa Gestão Orçamentária, as informações necessárias para tomar estas decisões estão muito mais facilitadas, basta analisá-las com cuidado antes de decidir por uma alternativa ou outra.

Mais sobre Gestão Orçamentária

Se a sua empresa ainda não utiliza o Orçamento Empresarial (Budget) em sua gestão, confira o material completo (e-book + webinar) que preparamos para auxiliar sua empresa a dar os primeiros passos! Basta clicar nos links para fazer o download do e-book e assistir ao webinar gratuitamente.

E como você já sabe, toda semana publicamos aqui artigos relacionados a planejamento, orçamento e acompanhamento econômico-financeiro. Também publicamos mensalmente materiais gratuitos para download como modelos de planilhas, white papers e e-books.

Portanto, se você ainda não é assinante de nosso newsletter, cadastre-se (aqui, logo abaixo) para receber este e outros artigos por e-mail, ou nos adicione nas redes sociais para ficar por dentro de tudo que acontece por aqui.

E se o conteúdo do artigo foi útil para você e sua empresa, deixe um comentário e compartilhe com seus colegas utilizando os botões das redes sociais que ficam aqui logo abaixo.


Também publicado em Medium.

12 comentários

Deixe um comentário

Você precisa estar logado para postar um comentário. Clique aqui para fazer o login