Confira tudo o que você precisa saber sobre a nota fiscal eletrônica (NF-e)

Publicado dia 20 de abril de 2018

É muito difícil encontrarmos um empresário ou um profissional do setor financeiro de uma empresa que ainda não tenha emitido ou recebido uma nota fiscal eletrônica. O documento, criado para substituir a nota fiscal de papel, é utilizado na venda de produtos que precisam pagar o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e sua validação é assegurada pela assinatura digital e pela autorização da Secretaria da Fazenda (Sefaz) do estado em que a empresa está registrada. A NF-e é emitida e armazenada eletronicamente, dispensando, assim, a impressão e o arquivamento físico da nota.

Nota fiscal eletrônica

Porém, mesmo com tanto tempo no mercado, a nota fiscal eletrônica ainda causa algumas dúvidas nos contribuintes, especialmente naqueles que estão começando a trabalhar com ela. A boa notícia é que, ao longo deste artigo, vamos explicar como funciona a NF-e e tirar as principais dúvidas sobre como emitir, cancelar, corrigir e consultar o documento. Fique atento e siga com a gente!

Como emitir nota fiscal eletrônica

Como já dissemos, toda empresa que está sujeita a pagar o ICMS, independentemente do porte ou segmento, precisa emitir nota fiscal eletrônica. Claro que, para cada regime tributário, existem regras e uma legislação vigente. Por isso, vale consultar sua contabilidade e buscar orientação na hora de iniciar o processo de emissão das notas, para que não haja nenhum erro e sua empresa não tenha que arcar com as consequências, como o pagamento de multas.

No entanto, há alguns passos que todas as empresas devem seguir para emitir uma NF-e. Confira:

1º passo – Faça o credenciamento na Sefaz

Para emitir a NF-e, sua empresa precisa estar cadastrada na Sefaz do estado onde está localizada. O cadastramento, geralmente, é bastante simplificado, mas pode variar de um estado para o outro. Aqui, mais uma vez, vale consultar um contador para saber como funciona a legislação local. Para começar, você pode escolher pela modalidade de credenciamento “Em homologação”, assim, suas notas ainda não serão enviadas oficialmente, mas apenas como um teste até que você receba o treinamento adequado e esteja apto a emitir a NF-e. Quando isso acontecer, basta mudar a opção para “Em produção”.

2º passo – Adquira um certificado digital

O certificado digital, ou assinatura digital, é o que garante a validade jurídica da NF-e. Com ele, a empresa vai confirmar a autenticidade e provar que foi ela que, de fato, emitiu a nota. Para adquirir essa assinatura é necessário escolher uma Autoridade Certificadora (AC), responsável pela comercialização do certificado, credenciada pela Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil). Depois de fazer o pedido em uma AC, informando alguns dados do seu negócio, será preciso comparecer em uma Autoridade de Registro (AR) para que as informações sejam conferidas e validadas. Após todo esse processo, o seu certificado estará liberado para ser usado nas notas fiscais.

3º passo – Instale um software emissor de NF-e

Para fechar, é necessário que sua empresa passe a usar um software para fazer a emissão das notas fiscais eletrônicas. Ainda há no mercado um emissor gratuito mantido pelo Sebrae-SP, porém, não se trata de uma solução completa e nem funciona para empresas que precisam emitir uma grande quantidade de notas. O mais indicado é buscar por uma solução que, além da emissão, também facilite o armazenamento e a gestão dos documentos e, principalmente, já esteja integrada com o sistema de gestão da empresa. Assim, você consegue ter uma visão geral de todo o processo, desde a venda até a emissão da nota, passando pela cobrança e faturamento. Por isso, é importante dedicar um tempinho para encontrar a solução que mais combina com o seu modelo de negócio.

Modelo operacional da NF-e

Bom, com tudo organizado, a sua empresa já pode emitir a nota fiscal eletrônica. O processo de emissão funciona assim:

  1. A empresa emissora de NF-e gera um arquivo eletrônico com as informações fiscais da operação comercial, que deve ser assinado digitalmente para garantir a integridade dos dados e a autoria do emissor. NF-e
  2. Este arquivo eletrônico é transmitido pela internet para a Sefaz da jurisdição do emissor. Depois de verificar a integridade formal, a secretaria devolve um protocolo de recebimento denominado autorização de uso. Sem ele, não pode ocorrer o trânsito da mercadoria, exceto nos casos previstos na legislação.
  3. Após autorização de uso, a Sefaz disponibiliza a consulta pela internet para o destinatário e outros legítimos interessados que detêm a chave de acesso do documento eletrônico. A NF-e fica armazenada no formato XML.
  4. A NF-e também é transmitida para a Receita Federal (repositório nacional de todas as NF-e emitidas), para a Sefaz de destino da operação (nos casos de operação interestadual) e, quando aplicável, para os órgãos e entidades da administração pública federal direta e indireta que tenham atribuição legal de regulação, normatização, controle e fiscalização.
  5. Para acompanhar o trânsito da mercadoria é impresso o DANFE (Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica), que é uma representação gráfica simplificada da nota fiscal eletrônica, em via única. Nele, consta o protocolo da autorização de uso e a chave de acesso para consulta da NF-e.

Ao usar um bom sistema de gestão que também faz a emissão da NF-e assim que a nota é autorizada e dada como oficial, ela já é automaticamente armazenada no formato XML e a operação que ela representa é atualizada. Se for a venda de um produto, por exemplo, o valor já é registrado no contas a receber e é feita a baixa no estoque. Assim, você tem total controle do que está acontecendo e ainda tem a nota disponível sempre que for necessário.

Consulta da NF-e na internet

As secretarias da Fazenda estaduais disponibilizam sites para a consulta do status da nota eletrônica. Nos portais, o interessado deve verificar as notas uma a uma, embora existam estados que disponibilizam a consulta das notas destinadas para ou emitidas por um determinado contribuinte em forma de lista. Para acessar esses portais é preciso da chave de acesso que consta no DANFE. As notas também podem ser verificadas no Portal Nacional da NF-e, com a chave de acesso.

As notas podem ser consultadas pelo prazo mínimo de 180 dias. Depois, a consulta pode ser substituída pela prestação de informações parciais que identifiquem a NF-e (número, data de emissão, CNPJ do emitente e do destinatário, valor e sua situação). Neste caso, os dados ficam disponíveis pelo prazo estipulado na legislação, que, normalmente, é de 5 anos.

Errou na emissão? Saiba como corrigir a nota fiscal eletrônica

Tradicionalmente, a carta de correção eletrônica (CC-e) costuma ser a melhor e mais descomplicada alternativa para a correção de algumas informações da nota fiscal eletrônica — embora ela só possa ser utilizada nas NF-e já autorizadas. Isso porque, quando a SEFAZ autoriza a nota, ela já não pode mais ser cancelada, exceto se ainda estiver dentro do prazo para cancelamento de uma NF-e, que geralmente é de 24 horas.

A CC-e, embora seja uma boa opção, não é absoluta, e precisa obedecer alguns critérios para que possa ser utilizada. Para começar, ela pode ser emitida até 30 dias após a autorização de uso. Depois, é preciso ficar atento aos dados que podem ser corrigidos. São eles:

  • A natureza de operação (CFOP): sob a condição de não mudar a natureza dos impostos;
  • Os códigos fiscais ou de tributação: desde que não alterem os valores fiscais;
  • Peso, volume etc.;
  • Endereço do destinatário;
  • Razão social do destinatário: se não alterar por completo;
  • Dados adicionais.

É importante saber, porém, que é proibido corrigir as variáveis que determinam o valor do imposto (base de cálculo, alíquota, diferença de preço, quantidade e valor da operação); os dados cadastrais que alterem o destinatário ou o remetente; e a data de emissão da nota ou saída da mercadoria. Lembre-se: a CC-e é um recurso que deve ser usado apenas para erros simples que não afetem os elementos essenciais da nota.

Quando e como cancelar uma NF-e

Emitir nota fiscalExistem algumas razões que justificam o cancelamento de uma nota fiscal, desde um simples erro de digitação até a total desistência da negociação. Porém, é importante ter em mente que antes de saber como cancelar, é preciso ter conhecimento das condições nas quais é possível e legalmente viável cancelar uma nota. Existem, inclusive, situações em que o cancelamento é permitido, porém, mediante o pagamento de uma multa — e ninguém gosta de pagar multas, certo?

Para facilitar, imagine uma empresa que faça a venda online de barris artesanais para bebidas. Um cliente realizou a compra e, por algum motivo, você foi obrigado a cancelar a nota fiscal da venda. Bom, para que o cancelamento seja possível, como regra básica, primeiramente a NF-e deve ter sido autorizada pela Sefaz e o comprador não pode ter realizado a ciência da emissão — quando o destinatário sabe que ela foi emitida e tenta fazer o download do XML da nota. Por último, é imprescindível que o fato gerador ainda não tenha ocorrido, ou seja, o barril ainda não pode ter saído da empresa para entrega.

Cumpridas todas essas etapas, quem emitiu a nota tem um prazo de 24 horas, a partir da autorização de uso, para efetuar o cancelamento. Mas atenção: cada estado pode ter uma legislação específica em que o prazo pode variar, então é importante consultar a sua contabilidade e a Sefaz para conhecer as especificidades da sua localidade. Afinal, não podemos negar que o prazo para cancelamento de nota fiscal eletrônica é relativamente curto, não é verdade? Ele foi estabelecido em apenas 24 horas no Ajuste Sinief 12/12, do Conselho Nacional de Política Fazendária, para evitar que notas fossem canceladas após a circulação de produtos, o que acarretaria em problemas adicionais tanto para o emitente quanto para o destinatário.

A boa notícia é que cumpridas todas as exigências indicadas acima, o cancelamento da nota costuma ser bem intuitivo e descomplicado. A maioria dos sistemas emissores de notas tem uma opção para automatizar esse cancelamento de maneira bem rápida, geralmente junto com a lista de NF-e emitidas.

A autenticidade do pedido de cancelamento de NF-e é garantida pelo certificado digital. Como já falamos, o status da sua nota fiscal pode ser consultado na Sefaz ou no Portal Nacional da NF-e, onde também é possível visualizar o Manual de Integração do Contribuinte e eliminar outras dúvidas sobre o seu cancelamento. Vale lembrar ainda que o documento cancelado deve ser escriturado e oficializado, mas sem valores monetários.

E mesmo assim, caso sua empresa tenha perdido o prazo de 24 horas, ainda é possível cancelar a NF-e. O processo é o mesmo do cancelamento dentro do prazo, mas, nesse caso, não há como evitar o prejuízo ao caixa. A multa geralmente é de 1,5% sobre o valor total da operação, porém, esse percentual pode variar de acordo com a legislação de cada estado.

Concluindo

A emissão da nota fiscal eletrônica faz parte do cotidiano da maioria da empresas no país, por isso, não há como deixar de entender o seu funcionamento. É claro que tudo pode ser facilitado, como falamos, com a utilização de uma solução que, além de emitir a NF-e, também funcione como sistema de gestão da sua empresa. Assim, você consegue integrar todos os processos e ter uma visão melhor de tudo o que está acontecendo.

É importante também, além de um software, contar com o auxílio de um profissional especializado no assunto, como um contador. Ele, inclusive, pode ajudar você a escolher um sistema que se encaixe nas necessidades e demandas do seu negócio.

Mas o assunto nota fiscal não termina por aqui. Em nosso blog, você encontra um artigo sobre como fazer o cancelamento e a correção da nota fiscal eletrônica de serviço (NFS-e), documento usado pelos contribuintes que precisam pagar o Imposto sobre Serviços (ISS). Além disso, nas próximas semanas, falaremos mais sobre a NFS-e e também sobre a NFC-e, a nota fiscal ao consumidor eletrônica, que substitui a nota fiscal de venda ao consumidor modelo 2 e o cupom fiscal emitido por emissor de cupom fiscal (ECF).

Esperamos que este artigo seja útil na gestão seu negócio. E se ficou com alguma dúvida ou quiser contar uma experiência, fique à vontade para fazer um comentário, pois estamos aqui para ouvi-lo e trocar ideias.

Além disso, toda semana publicamos aqui no blog artigos relacionados a planejamento, orçamento e acompanhamento econômico-financeiro. Além disso, publicamos mensalmente materiais gratuitos para download, como modelos de planilhas, white papers e e-books. Portanto, se você ainda não é assinante de nossa newsletter, cadastre-se para receber esses conteúdos por e-mail, ou nos adicione nas redes sociais para ficar por dentro de tudo que acontece por aqui.


Também publicado em Medium.

Deixe um comentário

Você precisa estar logado para postar um comentário. Clique aqui para fazer o login