Como elaborar corretamente a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL)

Publicado dia 5 de dezembro de 2017

Manter a organização e o controle das contas da empresa é essencial para que ela funcione de forma saudável e esteja sempre de acordo com a lei. Nesse sentido, um dos elementos que merece bastante cuidado é a riqueza corporativa, que inclui investimentos, lucros, ações e assim por diante. E é exatamente a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL) que vai proporcionar ao gestor uma compreensão precisa de todos esses recursos, mostrando em detalhes como eles variaram em determinado período.

Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido

A DMPL é extremamente importante, pois entender como o patrimônio da empresa evolui permite acompanhar a força dela no mercado e, assim, estabelecer estratégias para impulsioná-la, considerando o contexto no qual está inserida. Isso é possível porque este relatório tem o objetivo de apresentar todas as transações que aconteceram nas contas do patrimônio líquido da empresa, que incluem o capital social, reservas de capital, ajustes de avaliação patrimonial, reservas de lucro, ações em tesouraria e prejuízos acumulados.

Diante disso, este artigo visa explicar em detalhes o que é a DMPL e como elaborá-la corretamente. Acompanhe!

O que é DMPL

Quanto maior fica a empresa, mais complexo ficam seus processos financeiros. A organização passa a apresentar um alto volume de transações financeiras, também tem ações disponíveis na bolsa de valores, controla empresas menores (que são os casos das Holdings) e faz investimento no mercado, por exemplo. É nítido que a rotina do Controller é puxada, além de criar e acompanhar o Orçamento Empresarial, precisa avaliar esses fatores que impactam na riqueza do negócio, aumentando ou diminuindo seu capital.

Por isso, para que os recursos sejam administrados, os lucros entre sócios e acionistas sejam distribuídos e as reservas da empresa sejam controladas corretamente, é importante acompanhar de forma precisa cada transação de entrada e saída deles.

Mas atenção! Não são apenas as empresas de grande porte que têm um patrimônio líquido digno de ser controlado. Obviamente, o volume e a segmentação no caso delas é maior, no entanto, pequenos e médios negócios também devem cuidar para que se fortaleçam no mercado e cresçam de forma sustentável. Por isso a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido também é muito importante para eles, sendo essencial nas tomadas de decisões e na identificação de soluções para algum problema nesse sentido.

É exatamente para garantir o acompanhamento e o controle das movimentações financeiras que a contabilidade usa a DMPL como uma de suas ferramentas. Como já comentamos no início deste texto, a DMPL é um tipo de relatório contábil que apresenta o impacto de determinadas ações sobre o patrimônio corporativo. Um aspecto importante, inclusive, é que as informações contidas no documento complementam o Balanço Patrimonial.

No meio dessa explicação você pode ter se perguntado qual é a diferença, afinal, entre o Balanço Patrimonial e a DMPL, uma vez que são semelhantes. Bom, enquanto o Balanço Patrimonial mostra a situação do patrimônio em um determinado período, a DMPL demonstra de forma completa e abrangente o efeito que certas decisões tiveram nesse patrimônio durante o mesmo período. São perspectivas diferentes que, combinadas, permitem uma melhor orientação aos gestores.

Fatores que impactam no patrimônio corporativo

Temos destacado bastante até aqui que a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido avalia cada uma das movimentações das contas do patrimônio líquido durante o exercício fiscal, ou seja, durante o período escolhido para fazer a demonstração dos resultados contábeis. Bom, essa variação acontece por conta de uma série de fatores que precisa ser considerada durante a elaboração do documento, pois ela pode resultar tanto no aumento quanto na redução da riqueza corporativa.

E a importância de entender esses fatores está no fato de que eles ajudam a compreender qual é a origem e o destino das reservas da empresa, quer dizer, a DMPL não fica restrita à análise dos recursos derivados do lucro obtido no período avaliado.

Sendo assim, o patrimônio líquido pode variar por conta dos seguintes motivos:

  • Prejuízo líquido do exercício;
  • Dividendos;
  • Reavaliação de ativos (quando o resultado for credor);
  • Doações e subvenções para investimentos;
  • Subscrição e integralização de capital;
  • Recebimento de quantia que ultrapasse o valor nominal das ações integralizadas ou o preço das ações sem o valor nominal;
  • Valor da alienação das partes beneficiárias e bônus de subscrição;
  • Venda ou aquisição de ações;
  • Ajuste dos exercícios anteriores, ou seja, de registros contábeis antigos.

Por outro lado, é preciso ressaltar que também há elementos que não impactam no patrimônio de uma empresa. Este é o caso do uso do lucro e das reservas para aumentar o capital, da transferência das reservas patrimoniais para a conta de lucros e/ou prejuízos acumulados e da compensação de prejuízos com reserva.

Para que serve a DMPL e qual é a legislação envolvida

Um dos pontos mais importantes em relação a esse documento está no fato de que ele indica de forma clara como todas as reservas foram originadas e utilizadas, o que vai além daquelas produzidas a partir dos lucros. São as reservas relacionadas aos aspectos citados no tópico anterior e que fazem a diferença no crescimento ou redução da riqueza corporativa, de modo que analisá-las é um passo importante para uma melhor compreensão da movimentação do patrimônio para o cálculo de dividendos obrigatórios.

A forma abrangente e detalhada com que esse documento apresenta as informações é tão importante que, inclusive, é obrigatório para empresas de capital aberto, conforme especificado pela Comissão de Valores Imobiliários (CVM) na instrução nº 59/1986. E o motivo é simples: é a partir da DMPL que os investidores podem acompanhar as variações no patrimônio líquido da organização e entender por que isso aconteceu, o que, consequentemente, também proporciona mais segurança para todos os investidores da Bolsa de Valores. Paralelamente, os outros tipos de empresas estão dispensados dessa obrigação, de acordo com as especificações do segundo parágrafo do artigo 186 da Lei nº 6.404/1976.

Um detalhe importante para os profissionais de controladoria é que a elaboração da Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido dispensa a apresentação da Demonstração de Lucros e Prejuízos Acumulados (DLPA) à parte, uma vez que a DMPL já engloba a DLPA. Isso justifica porque este relatório deve ser estruturado de forma adequada, seguindo as exigências brasileiras em relação à contabilidade.

Como elaborar a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido

De modo geral, a elaboração da DMPL é bem simples, consistindo basicamente na representação, de forma resumida e coordenada, do capital, da reserva de capital, das reservas de lucro, das reservas de reavaliação, das ações de tesouraria e dos lucros e prejuízos acumulados. Lembrando que essas informações são obtidas nas fichas de razão de cada uma dessas contas. Assim, a DMPL deve discriminar os seguintes pontos:

  • Saldos existentes no início do período;
  • Acréscimo de capital;
  • Ajustes realizados em exercícios passados;
  • Compensações de prejuízos;
  • Destino do lucro líquido no exercício;
  • Distribuição de lucros;
  • Reavaliação dos ativos;
  • Redução de capital;
  • Resultado líquido do exercício;
  • Transferências e reversões de lucros e reservas;
  • Saldos no final do exercício.

Com essas informações, pode-se fazer, então, a estrutura da DMPL. A técnica utilizada para isso corresponde à elaboração de uma tabela em que cada uma das contas que formam o patrimônio líquido da empresa é alocada em uma coluna, sendo a última delas destinada para o resultado total. Em seguida, é preciso colocar os valores nas respectivas colunas, de modo que os dados relacionados a uma mesma transação fiquem na mesma linha.

Para englobar todos os segmentos dos recursos, o modelo de Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido é dividido em:

  • Reservas de capital: saldos de dinheiro que não podem ser distribuídos entre os investidores, como lucros e dividendos. Eles são, portanto, incorporados ao capital social da empresa ou compensados como lucro acumulado, caso não haja mais saldo de reserva de lucro disponível.
  • Reserva de lucro: são as reservas formadas a partir do direcionamento dado ao lucro líquido do exercício, que são determinadas tanto pela administração quanto pela assembleia de acionistas.
  • Lucro ou prejuízo acumulado: esta categoria está relacionada à participação dos acionistas na empresa, referindo-se, dessa forma, ao lucro mínimo ao qual têm direito ou ao prejuízo a que podem ser submetidos. Essa informação vai variar de acordo com os resultados obtidos pela empresa.

Passo a passo para fazer o cálculo da DMPL

Para facilitar seu trabalho, vamos reunir as informações do tópico anterior em um passo a passo e explicar melhor cada uma delas. Confira!

1 – Crie o modelo da DMPL: crie uma planilha com todas as informações indicadas acima distribuídas da seguinte forma nas linhas e colunas:

2 – Adicione os saldos de abertura: transcreva nas respectivas linhas do documento os saldos de cada conta na data do balanço final do exercício anterior. Em seguida, some esses valores e preencha a coluna Total com o resultado obtido.

3 – Acrescente as variações que ocorreram nas contas: adicione ou subtraia todos os movimentos financeiros que aconteceram em cada conta no referido tempo. Cada linha da tabela representa uma dessas contas, por isso, você pode acrescentar linhas conforme for necessário.

4 – Totalize os valores: assim como feito no segundo item, é preciso calcular o total dos valores por coluna, cujos resultados devem coincidir com os saldos do balanço (saldos em 31/12 atual), e por linha, cujos resultados devem ser colocados na coluna total.

Como a tecnologia pode ajudar na elaboração da DMPL

Por ser fundamental para o planejamento e o controle financeiro, é importante contar com informações precisas e seguras na hora de calcular a Demonstração das Mutações de Patrimônio Líquido da sua empresa, até porque bem sabemos que a elaboração e a organização de planilhas no formato tradicional é bastante passível a erros. Nesse sentido, a tecnologia pode ser utilizada como uma verdadeira aliada ao oferecer softwares que integram dados, estão acessíveis em tempo real e exigem um custo baixo de implementação e de manutenção.

Um dica importante para quem está procurando um sistema é conferir quais são as vantagens e as facilidades que ele oferece. Hoje, por exemplo, a escolha sistemas hospedados na nuvem proporcionam inúmeras facilidades para as empresas, possibilitando o acesso aos dados quando for preciso. Isso porque o acesso a eles é possível a qualquer momento e em qualquer lugar, desde que você tenha um dispositivo conectado à internet, o que é bastante estratégico para o bom desempenho das atividades e o acompanhamento e a atualização dos resultados sempre que necessário.

Além disso, sistemas hospedados na nuvem proporcionam mais economia, pois não exigem que a empresa tenha um servidor próprio. Mas, claro, tudo isso é associado a uma excelente segurança, tanto em relação ao armazenamento dos dados quanto à manutenção do hardware para que tudo esteja sempre em ordem e pronto para o uso. Assim, você pode trabalhar tranquilamente e focar na sua principal atividade, enquanto profissionais de TI cuidam dessa outra parte.

Concluindo

A Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido é uma ferramenta essencial no dia a dia de uma empresa, independentemente do porte dela. Afinal, é esse relatório que vai dar uma visão ampla e completa de como todos os recursos da empresa têm sido aplicados durante o exercício fiscal, o que é essencial para se ter mais controle do capital corporativo. Esse acompanhamento minucioso evita que os gestores se percam nas contas sem saber a origem ou o destino de algum capital. Ao fazer isso, sua empresa torna-se mais forte e com as finanças bem consolidadas.

Em outras palavras, a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido é uma importante ferramenta para que a empresa tenha um indicativo preciso sobre o crescimento do Patrimônio Líquido Corporativo, por meio do qual é possível avaliar o real desenvolvimento do negócio. Podemos dizer que essa demonstração funciona como um indicador de desempenho, assunto que já falamos aqui no blog. Aliás, é sempre bom lembrarmos da importância de escolher e acompanhar indicadores que demonstram os resultados da empresa, como os indicadores-chave de desempenho (KPIs). Por isso, preparamos um kit completo sobre KPIs para você. Baixe gratuitamente, clicando no banner a seguir!

Kit Completo para Gestão de Indicadores de Desempenho

E então, está pronto para elaborar a DMPL da sua empresa? Deixe um comentário contando o que achou deste artigo e, claro, fique à vontade para compartilhar suas experiências e conhecimentos relacionados ao tema. Assine também nossa newsletter para acompanhar as novidades aqui do blog e receber semanalmente conteúdo sobre planejamento, orçamento e acompanhamento econômico-financeiro!


Também publicado em Medium.

Home Fóruns Como elaborar corretamente a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido

Este tópico contém resposta, possui 1 voz e foi atualizado pela última vez por  Daniela Pereira Fernandes 1 ano, 8 meses atrás.

Como elaborar corretamente a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL)

Você deve fazer login para responder a este tópico.